Valvulopatias Aórticas Alta Floresta D'Oeste RO

Informações sobre Valvulopatias Aórticas em Alta Floresta D'Oeste. Encontre aqui endereços e telefones de médicos especialistas, clínicas e hospitais em Alta Floresta D'Oeste, além de artigos sobre Valvulopatias Aórticas.

Elisa Kinuyo Ito Utzumi
(69) 3442-9162
Avenida Fortaleza 5264
Rolim de Moura, Rondônia
 
Masahito Ito
(69) 3442-2253
Avenida 25 de Agosto 4947
Rolim de Moura, Rondônia
 
Clínica Especializada
(69) 3442-4880
Avenida Florianópolis 5261
Rolim de Moura, Rondônia
 
Vera Joana Becker
Paulo Leal 381 - Sala 106
Porto Velho, Rondônia
Especialidade
Cardiologia

Dados Divulgados por
Claudio Jose Soares
(69) 3217-0923
Hospital Central - R. Afonso Pena 52 - Sala 2
Porto Velho, Rondônia
Especialidade
Cardiologia

Dados Divulgados por
Clínica Gênesis
(69) 3442-7613
Avenida Recife 4934
Rolim de Moura, Rondônia
 
Clínica Multimargem
(69) 3442-1015
Rua Guaporé 5169
Rolim de Moura, Rondônia
 
Roberta Ferrari Goncalves
(69) 3443-2647
Rua Antonio de Paulaunes 1512
Cacoal, Rondônia
Especialidade
Cardiologia

Dados Divulgados por
Estação Saude
(69) 3211-7143
Av Calama 2615
Porto Velho, Rondônia
Especialidade
Cardiologia

Dados Divulgados por
Gederson Rossato
(69) 223-8460
Rua Paulo Leal 393
Porto Velho, Rondônia
Especialidade
Cardiologia

Dados Divulgados por
Dados Divulgados por

Valvulopatias Aórticas

Este tipo de valvulopatia é a segunda mais comum, vindo depois das patologias da válvula mitral. São observados dois tipos de valvulopatia aórtica, que podem estar relacionadas entre si:No caso de estenose aórtica, a válvula aórtica fica impossibilitada de abrir-se de forma correta, o que leva a hipertrofia do ventrículo esquerdo para que este consiga expulsar, com mais força, o sangue em direção à aorta.No caso de insuficiência aórtica, não há o fechamento correto da válvula, com consequente volta do sangue que é expulso para a aorta, sendo que esta passa a acumular-se no ventrículo esquerdo, com consequente dilação do mesmo.As manifestações clínicas normalmente surgem gradativa e progressivamente. Inicialmente, são comuns as palpitações e a sensação de falta de ar, assim como uma determinada dificuldade para respirar nas situações de esforço físico. Quando esta afecção encontra-se em uma fase mais avançada, quando os mecanismos compensatórios (hipertrofia e/ou dilatação) do ventrículo esquerdo não são suficientes para expelir a quantidade de sangue remanescente na cavidade em questão, há um gradativo desenvolvimento de uma insuficiência cardíaca. Nestas situações, as manifestações mais comuns são: o aparecimento da dificuldade respiratória, até mesmo em situações de repouso; congestionamento pulmonar; debilidade muscular; náuseas; perda de consciência e angina no peito.Quando esta afecção encontra-se em estágio mais avançado, podem encontrar-se presentes complicações, como edema pulmonar agudo, arritmias e endocardite.O tratamento visa aliviar os sintomas, frear a evolução da insuficiência cardíaca e prevenir a ocorrência de complicações. Isso é feito por meio de repouso, eliminação do sal da dieta e administração de fármacos diuréticos, digitálicos e antiarrítmicos. Nos quadros mais graves, recomenda-se a reparação da válvula que foi danificada ou sua substituição por uma prótese.Fontes:http://www.medipedia.pt/home/home.php?module=artigoEnc&id=120http://www.manualmerck.net/?id=45http://www.imcc-cardio.com.br/site2010/suasaude.php?cntId=58