Urinálise Vilhena RO

Informações sobre Urinálise em Vilhena. Encontre aqui endereços e telefones de médicos especialistas, clínicas e hospitais em Vilhena, além de artigos sobre Urinálise.

Laboratório São Paulo de Análises Clínicas
(69) 3321-3327
Avenida Liberdade 2800
Vilhena, Rondônia
 
Bioclin Laboratório de Análises Clínicas
(69) 3321-1427
Rua Nelson Tremea 198
Vilhena, Rondônia
 
Laboratório de Análises Clínicas Osvaldo Cruz Posto de Colet
(69) 3322-7512
Avenida Melvin Jones 1177
Vilhena, Rondônia
 
Laboratório Análise Clínica Osvaldo Cruz
(69) 3321-1700
Avenida Paraná 822
Vilhena, Rondônia
 
Hospital Bom Jesus
(69) 3321-3907
Rua Carlos Sthall 4901
Vilhena, Rondônia
 
Laboratório Vida
(69) 3322-1622
Avenida Liberdade 3006
Vilhena, Rondônia
 
Laboratório Osvaldo Cruz
(69) 3321-3276
Avenida Carlos Sthall 4920
Vilhena, Rondônia
 
Laboratório Biocenter
(69) 3321-3972
Rua Costa e Silva 239
Vilhena, Rondônia
 
Laboratório de Análises Clínicas Osvaldo Cruz Posto de Colet
(69) 3322-3202
Rua Nelson Tremea 188
Vilhena, Rondônia
 
Luzia Laboratório de Análises Clínicas
(69) 3641-2359
Avenida Brasil 3741
Alta Floresta D'Oeste, Rondônia
 

Urinálise

A urinálise é o exame não invasivo de grande importância para avaliar a função renal. Com o auxílio deste exame pode-se diagnosticar diversas patologias, monitorar o progresso destas doenças no organismo, acompanhar a eficácia do tratamento e ainda constatar a cura.O exame de urina é dividido em três etapas:Na primeira etapa analisam-se as características gerais da urina. Corresponde a avaliação das propriedades físicas da urina, como o seu volume, o seu cheiro e sua coloração.Na segunda etapa é feita a pesquisa de elementos anormais, que corresponde à pesquisa química feita na urina.Na terceira e ultima etapa é feita a sedimentoscopia, que corresponde ao exame microscópico da urina.Composição da urinaA urina contém aproximadamente 96% de água e 4% de substâncias diversas provenientes da alimentação e do metabolismo normal. Essencialmente ela é uma solução de sais (cloreto de sódio e potássio) e uréia.A composição da urina varia:Com a dieta do indivíduo;Com o estado nutricional;Atividade física;Metabolismo orgânico;Função endócrina;Estado geral do organismo;Estado da função renal;Assim como a uréia, outras substâncias orgânicas são encontradas na urina, tais como, creatinina e ácido úrico. A uréia corresponde a metade das substâncias dissolvidas na urina e é o produto do metabolismo da creatinina proveniente do movimento da massa muscular, e sua excreção renal não é influenciada pela dieta. O ácido úrico é oriundo do metabolismo das purinas.Dentre as substâncias inorgânicas encontradas na urina, pode-se destacar sódio, cloreto, potássio, cálcio, magnésio, amônia, fosfato e sulfato.Coleta da amostraA coleta de urina deve ser feita observando todas as assepsias determinadas para obtenção de um exame correto. É muito importante estar bem informado sobre a maneira adequada de se proceder à coleta da amostra de urina.Algumas regras são comuns em quase todos os laboratórios de análises clinica, tais como, fornecer ao pacientes frascos limpos e secos para a coleta da amostra, dando-se preferência à utilização de frascos descartáveis e, no caso de crianças, coletores de plásticos com adesivos, observando que os mesmos devem ser trocados a cada meia hora após a abertura. Após a coleta, o recipiente de amostra deve ser entregue o mais rapidamente para ser analisado, no prazo mínimo de uma hora e no máximo de 6 horas. Quando a amostra não puder ser analisada dentro deste prazo, deve ser refrigerada. Avaliando as características físicos da urinaNesta primeira etapa da urinálise são avaliadas:A cor: É um caractere físico de extrema importância e através dele pode-se ter uma idéia do funcionamento normal ou de uma disfunção e ate mesmo presença de uma patologia. A cor da urina é variável podendo ser amarelo citrino, amarelo claro e amarelo ouro em condições normais. As urinas patológicas são geralmente avermelhadas, âmbar e negra. Ao ingerir alguns medicamentos, estes podem contribuir na coloração da urina, tornado-a alaranjada, azul ou um tipo de amarelo brilhante.Odor: A urina possui um cheiro característico e normal denominado Suis Generis (S.G.). É muito comum encontrar em urinas de pacientes diabéticos um cheiro de frutas.Aspecto: A urina possui um aspecto transparente a clara. Ela torna-se turva quando seus constituintes solúveis tornam-se insolúveis, devido a mudança do pH, temperatura e saturação.Volume: Não existe um valor normal para o volume da urina. Geralmente a quantidade de urina é maior durante o dia e a noite é reduzida. O volume excretado varia muito com a alimentação, exercício físico, ingestão de líquidos e temperatura.Pesquisa químicaNesta segunda etapa da urinálise utiliza-se uma fita (tira de plástico) que possui áreas de papeis impregnados com reagentes especiais que irão reagir com a urina, permitindo assim uma análise de modo mais rápido e mais sensível. Constitui um método colorimétrico e comparativo.As principais funções da fita são:Triagem de exames bioquímicosExames de emergênciaControle de indivíduos diabéticosSedimentoscopiaEsta é a última etapa da urinálise e é uma das mais importantes, pois fornece informações diferentes das situações do organismo, como: metabolismo dos açúcares, função hepática e função renal. Estas informações são obtidas através dos exames químicos e microscópicos.A finalidade da sedimentoscopia é detectar e identificar elementos como as hemácias, leucócitos, cilindros, células epiteliais, bactérias, leveduras, parasitas, muco, espermatozóides, cristais, etc.Referências Bibliográficas:http://pt.wikipedia.org/wiki/Uranálisehttp://www.professoraangela.kit.net/urinalise2.htmhttp://www.rimmarilia.com.br/site/urinalise.ppt