Tratamento de obesidade Recife, Pernambuco

Encontre Tratamento de obesidade em Recife. Conheça as clínicas especializadas desta área em sua região, aproveite e leia nossos artigos com tutoriais, dicas e informações relevantes sobre este assunto.

Monica Machado Thimoteo
(81) 3468-9988
R Rua Rossine Roosevelt de Albuquerquen. 10
Jaboatao Dos Guararapes, Pernambuco
Especialidade
Endocrinologia

Dados Divulgados por
Uniclínica
(81) 3452-5758
Rua Leandro Barreto 1384
Recife, Pernambuco
 
Consultório Médico Córrego da Areia
(81) 3442-7492
Rua Córrego da Areia 177 lj B
Recife, Pernambuco
 
Center Saúde
(81) 3471-2984
Rua 2 Rios 250
Recife, Pernambuco
 
Clínica Isabel Morato
(81) 3221-5030
Rua das Fronteiras 175 s 311
Recife, Pernambuco
 
José Francisco de Albuquerque
(81) 3221-3499
Rua Capitão José da Luz 137 s 204
Recife, Pernambuco
 
Comepe Consultório Médico
(81) 3421-9502
Rua da Soledade 293
Recife, Pernambuco
 
Especialidades Médicas
(81) 3221-4019
Rua Pacífico dos Santos 117
Recife, Pernambuco
 
Centro de Radiodiagnose Doutor Alceu Pereira
(81) 3466-0130
Avenida Engenheiro Domingos Ferreira 3333 - 1
Recife, Pernambuco
 
Hiper Center Saúde
(81) 3339-6964
Avenida 2 Rios 250
Recife, Pernambuco
 
Dados Divulgados por

Tratamento de obesidade

Os avanços ocorridos nos conhecimentos sobre a obesidade, não foram acompanhados de grandes progressos no que se refere ao seu tratamento. Muitas estratégias de emagrecimento têm sido tentadas, mas, via de regra, perder peso e mantê-lo são extremamente difíceis na maioria dos casos. A perda de peso sempre estará na dependência de um balanço energético negativo, conseqüente à menor ingestão alimentar em relação ao gasto calórico. Classicamente esta situação é alcançada com o binômio redução da ingestão alimentar e aumento da atividade física. Além disso a obesidade é uma doença multifatorial e o controle dos fatores ambientais se faz necessário para combatê-la.

No tratamento da obesidade deve-se objetivar, não só a perda de peso, mas também a correção dos fatores de risco cardiovascular, dependentes da resistência à insulina. A idéia de se reduzir o peso corporal de indivíduos obesos para valores consideráveis normais, através de dietas com conteúdo calórico muito baixo, vem sendo substituída por condutas que levam a um objetivo menos ambicioso e mais realista, pela impossibilidade de se conseguir, a longo prazo, atingir e manter o peso ideal na maioria dos casos.

O fator que dificulta o sucesso de dietas muito restritas em termos calóricos, que produzem a curto prazo perdas ponderais significativas, é a tendência fisiológica do organismo de se "defender" contra as variações pronunciadas no seu peso corporal. Restrições no seu aporte alimentar levam à ativação de mecanismos compensatórios para minimizar a perda de peso, através da redução na taxa de metabolismo basal como demonstrado por Leibel et al 5 (Figura 2). Um tratamento dietético que resulte em uma perda de peso mais modesta mas que produza alterações mais estáveis é provavelmente mais favorável. Assim, perdas ponderais entre 5 e 10% do peso inicial podem ser suficientes para produzir alterações benéficas nos níveis de glicemia, no perfil lipídico do plasma e nos níveis da pressão arterial.

O total de calorias a ser consumida deve ser reduzido em 500 a 1000 kcal por dia, com base no cálculo de energia despendida pelo paciente. A dieta assim planejada é usualmente suficiente para produzir uma perda de peso entre 0,5 a 1,0 kg/semana. Recomendações gerais devem incluir aumento na ingestão de fibras, que produzem maior grau de saciedade, redução no consumo de sacarose, de álcool e de gorduras saturadas. A proporção normal de nutrientes deve ser mantida apesar da limitação calórica. Proteínas devem perfazer 15 a 20% da quantidade total de calorias da dieta, carboidratos devem corresponder a 50 – 55 % e as gorduras não devem ultrapassar 30% do conteúdo calórico total. Para melhorar a aderência do paciente à dieta é recomendável que esta se adapte aos seus gostos, fornecendo-lhe variadas opções de cardápio. Ao lado disso, o sucesso da dieta depende fundamentalmente do processo de reeducação alimentar, que faz parte da denominada terapia comportamental.