Hospitais Santa Cruz do Rio Pardo SP

Informações sobre Hospitais em Santa Cruz do Rio Pardo. Encontre aqui endereços e telefones de médicos especialistas, clínicas e hospitais em Santa Cruz do Rio Pardo, além de artigos sobre Hospitais.

Fundação do Hospital Amaral Carvalho
(14) 3372-9780
Avenida Tiradentes 360
Santa Cruz do Rio Pardo, São Paulo
 
Santa Casa Misericórdia Chavantes
(14) 3342-1866
Rua Maria Ferreira 22
Chavantes, São Paulo
 
Stª Casa de Misericórdia Ourinhos
(14) 3302-6600
Rua Dom Pedro I 716
Ourinhos, São Paulo
 
Hospital de Saúde Mental de Ourinhos
(14) 3302-1910
Rua Paschoal Henrique 600
Ourinhos, São Paulo
 
Omar Barreiros
(14) 3322-3091
Av Doutor Altino Arantes 173
Ourinhos, São Paulo
Especialidade
Clínica Médica

Dados Divulgados por
Santa Casa de Misericórdia de Santa Cruz do Rio Pardo
(14) 3372-1222
Rua Doutor Cyro de Mello Camarinha 530
Santa Cruz do Rio Pardo, São Paulo
 
Hospital Santa Casa Jesus Maria José
(14) 3346-1100
Avenida Guilherme Arruda Castanho 496
Bernardino de Campos, São Paulo
 
Hospital Unimed de Ourinhos
(14) 3302-8300
Avenida Choso Misato 120
Ourinhos, São Paulo
 
Banco de Sangue Ourinhos
(14) 3322-3998
Rua Joaquim de Azevedo 770
Ourinhos, São Paulo
 
Ronaldo M G Moura
Ruaove de Julho 579
Ourinhos, São Paulo
Especialidade
Clínica Médica

Dados Divulgados por
Dados Divulgados por

A criação dos Hospitais

Nos tempos antigos não é comum a presença de um recanto próprio para pessoas enfermas, no qual elas fossem retidas e submetidas a terapêuticas específicas por profissionais da saúde; geralmente os doentes eram agrupados junto com os miseráveis, órfãos e viajantes, no que concernia à carência de desvelo.A expressão hospital procedia do latim ‘hospitalis’, que tem o sentido de ‘ser hospitaleiro’, qualidade que provém de ‘hospes’, que tem a conotação de ‘hóspede, estrangeiro’, e também de ‘aquele que hospeda’. Atualmente este termo é similar ao vocábulo ‘nosocomium’, o qual significa ‘local dos enfermos, asilo dos doentes’.Documentos que remontam a 3000 anos a.C. comprovam o exercício da medicina entre os assírio-babilônicos. Esta profissão era regulamentada pelo Código de Hamurabi, que data de 2.250 anos a.C. Mas não há comprovação alguma que indique onde essa prática era concretizada e como era realizado o atendimento, apesar do historiador Heródoto comentar, em sua obra, sobre a existência de um suposto mercado, ao qual os enfermos eram transportados para terem suas dores diagnosticadas.A vinda do Cristianismo instaura um ponto de vista mais humano, modificando assim a estrutura social e imbuindo o ser humano de novas obrigações; evolui então velozmente a ideia de ajuda aos necessitados e aos doentes, bem como aos que se encontram em trânsito. Eles são socorridos com a ajuda financeira provida pelos cristãos. O decreto de Milão, de 313 d.C., instituído pelo imperador Constantino, dotando o Cristianismo da liberdade de ação, e o Concílio de Nicéia, de 325 d.C., o qual estabelecia o atendimento compulsório aos carentes e enfermos, constituíram a motivação final para o desenvolvimento dos hospitais.As diaconias, nesta época, propiciavam os cuidados necessários aos que precisavam de socorro. Na cidade de Roma os acomodamentos eram mais vastos e bem estruturados; alguns estudiosos, por esta razão, avaliaram estes recantos somente como locais de ajuda aos enfermos; mas não se pode esquecer que os miseráveis e os estrangeiros também eram recepcionados nestes espaços. Muitas ordens religiosas, durante o período medieval, também se dedicaram a este trabalho.A criação dos hospitais foi estimulada principalmente pelo aprimoramento do aprendizado da Medicina e pela evolução das obras sanitárias. Um exemplar dos hospitais construídos em terras islâmicas, durante a Idade Média, é o do Cairo, edificado em 1283. Nele havia enfermarias distintas para pacientes com lesões, os que já estavam em recuperação, as mulheres, os doentes da visão, e assim por diante. Um médico administrava o complexo, com a ajuda de outros profissionais; homens e mulheres, na tarefa da enfermagem, assessoravam o atendimento.No continente europeu, em fins do século XVIII e princípio do XIX, como consequência da Revolução Industrial inglesa, impulsionada a partir de 1750, crescia uma nova e poderosa classe social, a burguesia, imbuída de novas aspirações nas esferas sócio-econômica e moral. Foram implementadas, então, providências mais eficazes no campo da higiene e da saúde pública.Neste contexto surgiram os hospitais modernos, estruturados com novas técnicas, aperfeiçoadas através de longos estudos e inquirições na área da Medicina. A partir deste momento os doentes são distanciados de seus familiares e da sociedade e asilados nestes edifícios, frios, impessoais e carentes da afetividade dos entes amados. Hoje, algumas organizações não-governamentais, como os Doutores da Alegria e outras, procuram devolver o prazer e o afeto a estas instituições, através de atividades lúdicas e engraçadas.Fontes:Franklin Santana Santos.Perspectivas Histórico-Culturais da Morte, in Franklin Santana Santos e Dora Incontri (orgs). A Arte de Morrer – Visões Plurais, Volume 1. Editora Comenius, Bragança Paulista, 2009.http://www.prosaude.org.br/noticias/jun2002/pgs/encarte.htm#2