Clínica de Dor Fortaleza, Ceará

Encontre Clínica de Dor em Fortaleza. Conheça os profissionais especializados desta área em sua região, aproveite e leia nossos artigos com tutoriais, dicas e informações relevantes sobre este assunto.

Longevidade Saudável
(85) 3246-2126
Avenida Washington Soares 855 s 612
Fortaleza, Ceará
 
Nemo Clínica Médica
(85) 3292-8627
Rua Dom Carloto Távora 570
Fortaleza, Ceará
 
Clínica Miguel Couto
(85) 3231-8360
Rua J da Penha 141
Fortaleza, Ceará
 
Clínica Centro de Neurologia
(85) 3224-8848
Rua Pereira Filgueiras 1817
Fortaleza, Ceará
 
Multiclínica Clínica Médica e Odontológica
(85) 3242-2239
Rua República do Líbano 625
Fortaleza, Ceará
 
Vicente de Paulo Braga Barbosa
(85) 3231-1441
Rua Barão do Rio Branco 1722
Fortaleza, Ceará
 
Instituto de Patologia Clínica Hermes Pardini
(85) 3278-6099
Rua Doutor Carlos Ribeiro Pamplona 100 s 306
Fortaleza, Ceará
 
Clínica Arimatea Barreto
(85) 3281-6000
Avenida Bezerra de Menezes 1371
Fortaleza, Ceará
 
Saúde e Família
(85) 3261-0552
Rua Silva Paulet 943
Fortaleza, Ceará
 
Clínica Antônio Macedo de Santana
(85) 3246-0605
Avenida Rui Barbosa 2190
Fortaleza, Ceará
 

Clínica de Dor

Dor é uma experiência sensorial ou emocional desagradável que ocorre em diferentes graus de intensidade – do desconforto leve à agonia –, podendo resultar da estimulação do nervo em decorrência de lesão, doença ou distúrbio emocional.

É uma experiência complexa que envolve o estímulo de algo nocivo e as respostas fisiológicas e emocionais a um evento.

Em casos de dores fisiológicas, a percepção ocorre graças à nocicepção: terminações nervosas independentes dos neurônios localizadas fora da coluna espinhal, no gânglio de raiz dorsal, são estimuladas mecânica, elétrica, térmica e quimicamente, transmitindo seus sinais por fibras nervosas até os neurônios sensoriais da medula.

Este processo libera glutamato, um neurotransmissor responsável por enviar a informação de neurônio a neurônio até o tálamo. Lá, a mensagem é distribuída ao cérebro, onde ocorre o reconhecimento consciente da dor.

A percepção da dor pode variar não somente de uma pessoa para outra, mas também de acordo com a cultura, sendo transformada por muitos fatores. Portanto, é uma resposta subjetiva: cada indivíduo aprende a sensação por meio de experiências relacionadas com lesões no início da vida.

Tipos

Dizemos que a dor é localizada quando se restringe a uma região específica do corpo, como em um corte no dedo. A dor pode também ser difusa, como nos casos da fibromialgia.

A dor aguda se manifesta transitoriamente por um período curto e na maioria das vezes com causas facilmente identificáveis. Funciona como um alerta do corpo para lesões em tecidos, inflamações ou doenças, centralizada primeiro e depois capaz de se tornar difusa. Clinicamente, uma dor crônica é aquela que excede seis meses, sendo constante e intermitente. Quase sempre está associada a um processo de doença crônica.

Quando ocorre uma lesão na pele, receptores sensoriais (terminações nervosas) que enviam sinais que causam a percepção da dor são ativados nos tecidos cutâneos inferiores. São as dores cutâneas, localizadas e de curta duração, como queimaduras de primeiro grau e cortes superficiais.

Uma dor somática tem origem nos ligamentos, ossos, tendões, vasos sanguíneos e nervos. Poucos receptores de dor nestas regiões produzem uma sensação maçante, mal localizada e de maior duração. É a dor que uma pessoa sente quando quebra o braço ou torce o tornozelo, por exemplo.

A dor visceral se origina dentro dos órgãos e cavidades internas do corpo. Com menos receptores sensoriais ainda nestas áreas, produz uma sensação dolorida e de maior duração do que a dor somática, muito difícil de localizar – sendo muitas vezes associada a partes do corpo totalmente diferentes do local da lesão pelo paciente. O ataque cardíaco é um bom exemplo, podendo primeiramente causar dor no ombro, estômago, braço e na mão.

Curiosidades

Patos, em grego, significa sofrimento. É a raiz de patologia, estudo das mudanças estruturais do corpo causadas por doenças. Muitas pessoas relatam dor na ausência de lesão ou de qualquer causa fisiopatológica provável – normalmente por motivos psicológicos. Por este motivo, a definição de dor não se subordina necessariamente ao estímulo. A dor do membro fantasma, por exemplo, é uma sensação universalmente relatada por pessoas com membros amputados. Nestes casos a dor é associada ao membro ausente.

A dor neuropática (nevralgia) pode ocorrer como resultado de um ferimento ou doença do tecido nervoso propriamente dito. Essa sensação pode afetar a capacidade dos nervos sensoriais de transmitir informações corretas para o tálamo, causando uma interpretação errada dos estímulos dolorosos.

O cérebro não é capaz de sentir dor. Assim, a dor de cabeça não é uma dor no cérebro. Uma explicação para esta ausência de receptores seria a necessidade de proteção de um órgão extremamente vital ao organismo, que poderia elevar o risco de morte caso também estivesse envolvido na sensação de dor.

Analgésicos, medicamentos para aliviar ou parar a dor bloqueiam os sinais de dor antes deles chegarem ao sistema nervoso central, como a benzocaína, ou pela interferência na forma como o cérebro interpreta os estímulos, como é o caso da acupuntura – ela “desativa” áreas cerebrais associadas à interpretação da dor.

Principais doenças relacionadas

Embora algumas doenças se manifestem de forma assintomática e sem causar dores, como é o caso de alguns tipos de câncer primários, a maioria é percebida de forma bastante dolorosa:

- Tonsilite (amidalite)

- Apendicite

- Artrite

- Ataque cardíaco

- Bursite

- Cefaleia em salvas

- Ciática

- Colite ulcerosa

- Doença pulmonar

- Disfunção temporomandibular e dor orofacial

- Dor de cabela Tensional

- Dor de ouvido

- Enxaqueca

- Fascite plantar

- Fibromialgia

- Gastrite

- Gota

- Hemorroidas

- Hérnia de disco

- Infecção do trato urinário

- Infecção aguda no ouvido

- Meningite

- Nevralgia do trigêmeo

- Osteoartrite

- Otite

- Pedra nos rins

- Rompimento do Menisco

- Tendinite

- Úlceras